30 de nov de 2012

Incessantemente

Me privo
Reservo
Resguardo
Protejo
E abro mão de atacar
Me esqueço
Enquanto finjo não lembrar

Mas o eco no espaço vazio
É ruim de ouvir...

Transforma o tempo em dúvidas mensais
Com o pouco sentido que é possível ver nas coisas
E nessa grande farsa na qual me torno
Um pouquinho por dia
Todos os dias, incessantemente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário