2 de nov de 2010

Aos encontros desnecessários

Talvez seja a minha vez de jogar cores a toa por aí,
levando meus gestos
minha voz,
meu sorriso,
meus cigarros
meu cheiro...
deixando um pouco de tudo isso
(dentre outras tantas coisas)
em lugares repletamente cheios de pessoas que são completamente vazias

Meus tons
diversos,
sentados em qualquer mesa
de qualquer bar
de qualquer lugar,
tomando qualquer bebida
sem sequer estar ali
Lugares com
risadas, e mais risadas
fabricadas,
vendidas,
compradas,
falsas.
(Sem sequer existir motivo pra descer a tal nível)

A hipocrisia então toma conta
do ambiente
esbanjando o ar sutil de tudo o que existe de mais falso e imundo no universo
Pessoas sem sentido
sem conteúdo
Conversas por falta do que dizer
Não há um assunto
Não existe nem um porque justificável pra tamanha idiotice...

Perante isso me proponho
A não mais estar diante dessa sujeira,
A não frequentar mais o ambiente que essas pobres criaturas de si mesma frequentam
Burrice me causa nojo


Mas,
se não houver outra saída,
perante isso também me proponho
(e contra minha real vontade)
a derramar de pouco em pouco
cada gota de cor que em mim ainda existe

Não culpe,
não condene
não julgue!
Elas são minhas e as jogo onde quiser
Foi você mesmo que quis assim

Um comentário:

  1. "... lugares repletamente cheios de pessoas que são completamente vazias..." Quantos sentimentos a serem descobertos e tanta inutilidade ocupando as gavetas.

    ResponderExcluir