18 de jan de 2013

"E até para os pobres hipócritas..."


Tenho hoje um respeito que eu sei que é meu
Ganhei, conquistei, arduamente.
Encarei olhares de baixo, com falso fervor
E curvei estes mesmos olhares para o chão.
Rebaixei a petulância por terem ousado lançamentos de críticas
Trilhei um caminho e segui
Mesmo sem muita ordem ou sentido, só segui.
Descrevi em linhas tortas amarguras infinitas
Que de um jeito ou outro sempre estarão na memória, em algum lugar
Narrei pesadelos sólidos
Contei com a sorte, amigos, cachorro
E venci
Vencedor é o que luta por si
E sabe o valor de sua vitória - por mais imbecil que possa ser
Se acredito na evolução humana?
A minha, pelo menos, está acontecendo.
É como a fé:
- Posso não ver, mas sinto.
E vocês? Como estão?

Os tempos de hoje são outros
As pessoas são as mesmas
Mas me desconheço...
Desconheço o todo
Desconheço tudo

Apenas me recuso a estar em plena falsidade
Acho que não... Ninguém pode fingir por tanto tempo
“Preferir mentiras sólidas para não se machucar com verdades sinceras”
Não mais - venho aprendendo com decisões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário